quinta-feira, 2 de julho de 2015

Dirigir descalço, sem camisa, com uma mão; entenda

Os motoristas fazem aquele curso para tirar a primeira Carteira de Habilitação. Mas muita gente logo esquece o que é permitido e não ao dirigir. Pode andar sem camisa? Pode guiar com só uma mão ao volante? E grávida, pode dirigir? Veja, abaixo, os mitos e verdades sobre as proibições no trânsito.

Braço pela porta

O condutor que for flagrado dirigindo com o braço do lado de fora estará cometendo infração média. As punições incluem quatro pontos na carteira e multa de R$ 85,13.

Descalços

As bermudas e os chinelos compõem o traje quase perfeito para aqueles dias mais quentes. Porém, o Código de Trânsito Brasileiro (CTB) proibiu o uso de calçados que não se firmem nos pés ou que comprometam a utilização dos pedais do automóvel. A infração média gera multa e quatro pontos na CNH, com valor de R$ 85,13. A solução é tirar o chinelo. O código não prevê punição aos pés descalços.

Sem camisa

Já a ausência da camiseta é permitida. O tema da vestimenta não é mencionado no artigo 252 do CTB. Logo, se ninguém é obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei, ninguém é obrigado a usar camisetas enquanto dirige. Mesmo sem camisa, o motorista deve estar de cinto de segurança.

Gravidez

O atual código não faz restrições ao assunto. Portanto, a direção é normalmente liberada às gestantes. Contudo, cuidados devem ser tomados. Após o sétimo mês, a mulher geralmente está lenta e com as pernas e pés inchados. A BARRIGA atrapalha a colocação do cinto e há risco de perda do bebê em eventuais colisões. Por isso, médicos não recomendam dirigir após o sétimo mês.

Uma mão

Sujeito à punição de quatro pontos na carteira e o pagamento de multa de R$ 85,13, quem dirige com apenas uma das mãos no volante é considerado um infrator médio. É permitido guiar com uma mão apenas para fazer sinais regulamentares de braço, mudar a marcha ou acionar equipamentos e acessórios do veículo.

Fonte: http://goo.gl/xjQcK0

quarta-feira, 1 de julho de 2015

NOVA LOJA BETEL!

Ainda não conheceu nossa nova loja?
Então venha nos visitar Av, Juscelino Kubitschek, 283, próximo à Av, Tiradentes.
(43) 3324-5030

terça-feira, 30 de junho de 2015

Andar com o tanque na reserva pode causar danos ao veículo

Se você é daqueles motoristas que só abastece o carro após o tanque entrar na RESERVA, fique atento. Essa prática pode causar diversos problemas ao veículo e até deixá-lo a pé.

A quantidade da reserva depende do modelo do carro, mas geralmente fica entre 5 e 8 litros. Na maior parte dos carros 1.0 é de 5 litros. Ao contrário do que alguns pensam, não trata-se de um tanque extra. É a quantidade mínima de litros que as montadoras consideram ideal para acender o aviso de pouco combustível.

Essa reserva só deve ser usada em casos emergenciais. O risco do uso recorrente é a pane seca. Como não existe uma medida exata da quantidade de combustível que se tem, é impossível calcular quantos quilômetros ainda é possível percorrer.

A pane seca é infração de trânsito e multa pode custar R$ 85,13, quatro pontos na CNH e o carro é guinchado, mesmo que tenha um posto próximo.

Danos

A bomba de combustível também sofre com o pouco combustível. Por ficar dentro do próprio tanque, ela utiliza o líquido do combustível como meio de resfriamento. Com o tanque vazio, a bomba não tem líquido refrigerante suficiente para resfriar e pode sofrer de superaquecimento.

Outro problema que pode ser causado por conta da pouca quantidade de combustível no tanque é a entrada de impurezas na bomba. A sujeira do combustível se deposita no fundo do tanque, por meio da decantação. Ao utilizar o combustível da parte final da guarnição, as sujeiras podem vir junto e serem enviadas para o motor, provocando falhas.

Para não sofrer este problema, procure imaginar que a marca de ¼ é o seu final. Abasteça sempre que o marcador chegar nesse nível e evite dores de cabeça.

Fonte: http://goo.gl/3DGzRA

quinta-feira, 25 de junho de 2015

Veja dicas para conduzir a sua moto com segurança nos dias de chuva

Capas impermeáveis mantém o piloto seco, aumenta a segurança e garante a mobilidade na condução
Em dias de chuva, os motociclistas precisam de vários cuidados para manter uma direção segura. Se a água na pista muda a dirigibilidade para veículos de quatro rodas, imagine para os de duas! Algumas precauções podem significar a diferença entre um passeio tranquilo e um tombo. Manter-se seco não é apenas uma maneira de garantir boa saúde. Veja dicas para encarar a pista em condições adversas.

Dicas para uma pilotagem segura

- Aderência: nas acelerações, é preciso mais suavidade. O mesmo vale para as frenagens, para que a moto não escorregue. Seja menos radical nas trocas de trajetória e nas curvas.

- Visibilidade: em chuvas fortes, é difícil enxergar. O mesmo ocorre com motoristas de veículos de quatro rodas. Por isso, cuidado redobrado. E, mesmo que o temporal já tenha passado, pneus dos outros veículos borrifam água. O ideal é passar produtos antiembaçantes na viseira do capacete.

- Começo: nos primeiros pingos, a chuva pode ser mais perigosa. A água se junta à areia, ao óleo e a outros materiais da pista, criando uma pasta escorregadia. Espere alguns minutos para trafegar, até a água lavar o asfalto.

- Velocidade: especialistas apontam que se deve reduzir em 25% o ritmo. Assim, num trecho em que se andava a 60 km/h, o ideal é trafegar a 45 km/h.

- Local: água no asfalto reduz em até 50% a efi cácia dos pneus, dependendo do modelo e do material. Dê preferência a andar nos trilhos deixados pelos automóveis. São mais secos.

- Roupa: carregue capas impermeáveis. Mais do que manter o piloto seco, ela aumenta a segurança e garante mobilidade na condução.

Armadilhas

- Faixas: as sinalizações na pista podem ser inimigas dos motociclistas. Muitas não têm qualquer material antiderrapante. Evite-as.

- Esquinas: é onde acumulam pedrinhas e sujeira. Reduza a velocidade.

- Obras: pode haver tapumes de madeira em buracos na pista. Molhados, ficam escorregadios. Passe devagar, mas tracionado.

- Bueiros: molhadas, as tampas viram um sabão. Tente não passar em cima delas.

Nas poças

- Altura: a água não pode ultrapassar a altura do filtro de ar.

- Cachimbo: é fundamental que a peça esteja firme na vela de ignição.

- Velocidade: use a primeira marcha, em velocidade constante não deixe o giro do motor cair, sobretudo se o escapamento ficar submerso.

- Lubrificação: depois de um banho forçado, lubrificar a corrente é essencial.

- Manutenção: após situações como essa, o ideal é trocar o óleo e o filtro do motor.

- Enchente: se a moto morreu e a água entrou pelo escapamento, não tente fazê-la funcionar novamente. Leve o veículo a uma oficina.

Fonte: http://goo.gl/EDqIi9

quarta-feira, 24 de junho de 2015

Solução caseira resolve amarelados dos faróis; saiba mais

Problema que deixa o carro com um aspecto feio e influencia na visibilidade dos motoristas, o amarelado dos faróis pode resolvido em casa. Com um pouco de tempo livre, disposição e os materiais corretos, fica fácil acabar com esse defeito que tanto influencia na estética do carro.

Além de deixar o carro com um aspecto de velho, a lente amarelada pode prejudicar a visão do motorista durante o tráfego noturno. Por conta da aparência fosca, o farol perde seu facho de luz e não ilumina corretamente o caminho. Em determinados trechos de uma estrada mais escura, o condutor pode ficar em situação perigosa.

Solução caseira

Com um pouco de força de vontade e os materiais corretos, é possível realizar um procedimento 100% caseiro e obter uma grande melhora no aspecto do farol. Com uma lixa d’água de número 1100 (encontrada em casas especializadas em lanternagem e pintura), massa de polir, estopa, um pano seco e limpo e água, o procedimento já pode ser realizado.

Primeiramente, molhe o farol para que a lixa faça efeito. Após molhar, lixe e continue atento se a superfície se encontra molhada. Ao perceber que o local começa a secar, molhe novamente para não perder o efeito da lixa. Após lixar durante aproximadamente 10 minutos toda a área do farol, chega a hora de secar. Não se preocupe, o aspecto ficará embaçado, mas essa é a dica que tudo ocorreu normalmente.

Após a secagem, aplique a massa de polir no farol e com a estopa, esfregue com força. Assim, a massa entra em atrito com a sujeira e a retira. Após esfregar, lave e veja se o resultado ficou com o esperado. Se não ficar satisfeito, faça novamente o processo da massa de polir mais a estopa até que se alcance a transparência correta.

Fonte: http://goo.gl/036xMr

segunda-feira, 22 de junho de 2015

Conheça 15 maus hábitos responsáveis pelo desgaste precoce do carro

Entenda o que ocorre com o carro quando submetido a diversas situações prejudiciais do dia a dia

Realizar todas as revisões programadas na concessionária pode não ser garantia absoluta de que a vida útil das peças do carro seja prolongada. Isso porque uma série de cuidados especiais extraoficina devem ser tomados pelos proprietários de veículos. 


Com o objetivo de esclarecer o que ocorre a partir de alguns dos principais hábitos duvidosos dos motoristas em relação aos seus automóveis - como circular com tanque de combustível na reserva, manter o pé na embreagem durante o percurso ou postergar o conserto de amassados - o Pense Carros consultou especialistas do setor automotivo.

1. Circular com combustível na reserva
Deixar o tanque de combustível atingir a reserva e ainda rodar com ele pelas ruas, oferece diversos riscos ao motorista. Entre eles estão à pane seca - quando o motor apagar por falta de combustível - e a queima do motor da bomba elétrica de combustível. “ Essa prática pode reduzir a vida útil do sistema”, garante Francisco Oliveira, gerente da Ford Copagra em Porto Alegre.
Cuidados na hora de dirigir podem acabar aumentando custos de manutenção - Hábitos como passar quebra-molas na diagonal e só abastecer quando tanque já está na reserva causam desgaste prematuro das peças do veículo
Um novo conjunto de tanque de combustível pode custar em média cerca de R$ 280, fora das concessionárias. “Os problemas podem aparecer já nos três primeiros meses de vida do carro”, afirma Tales Roger, consultor técnico da Pedroso Auto Center há 18 anos.

2. Manter o pé na embreagem ao longo do percurso
Este vício do motorista é muito arriscado, pois reduz a vida útil do conjunto disco, platô e rolamentos.“Em qualquer sistema de embreagem, seja à cabo ou hidráulico, essa prática pode afetar até mesmo o volante do motor, acarretando em uma manutenção cara”, alerta Francisco Oliveira, da Copagra.
Segundo Tales Roger, o registro ocorrências envolvendo problemas com a embreagem é frequente. “Geralmente a garantia de uma embreagem é de seis meses ou 10 mil quilômetros.rodados.Quem tem a mania de deixar o pé sempre na embreagem reduz essa média pela metade”, conta. Em média, o custo de um novo conjunto de embreagem é de R$ 290.

3. Raspar rodas no cordão da calçada
A falta de atenção ao estacionar ocasiona não só o prejuízo estético ao automóvel, como também danos à roda e à banda lateral do pneu. “Outro problema é o desalinhamento da geometria do veículo, que pode até rasgar a lateral do pneu e torná-lo inútil”, explica Francisco Oliveira.
Cuidados na hora de dirigir podem acabar aumentando custos de manutenção - Hábitos como passar quebra-molas na diagonal e só abastecer quando tanque já está na reserva causam desgaste prematuro das peças do veículo

4. Movimentar a direção com o veículo parado ou com as rodas travadas
Além de desnecessário, esse hábito também sobrecarrega o sistema hidráulico de direção. “Essa sobrecarga pode levar a vazamentos e ao comprometimento da vida útil da bomba hidráulica e da mangueira”, explica Francisco Oliveira.

5. Passar em quebra-molas na diagonal
Prática muito realizada por donos de carros rebaixados para não “raspar” a lataria, é considerada pelos especialista, um “tempo perdido”.
“Esse movimento costuma torcionar excessivamente a estrutura do veículo e com o tempo. Resulta em ruídos e desalinhamento. O correto é sempre passar em linha reta”, garante Francisco Oliveira.
Cuidados na hora de dirigir podem acabar aumentando custos de manutenção - Hábitos como passar quebra-molas na diagonal e só abastecer quando tanque já está na reserva causam desgaste prematuro das peças do veículo

6. Deixar o câmbio em ”ponto morto” (modo neutro, sem engate em marcha)
Ao contrário do que muitos motoristas pensam deixar o cambio em ponto morto em descidas (lombas) não promove economia de combustível. “É uma prática errônea porque impede a ação do freio motor, sobrecarregando o sistema de freios”, explica o gerente da Copagra.

7. Transitar em locais alagados
Trafegar em zonas com nível alto de água pode provocar infiltração em componentes e até mesmo calço hidráulico, que consiste na absorção de água pelo sistema de admissão do motor. “Este último problema pode gerar danos internos em partes ou em todo o motor” alerta Francisco.
O contato do sistema do motor com a água pode ocasionar problemas como choque térmico, vibração no pedal e comprometimento dos discos de freios “, relata Tales Roger.

8. Fazer arrancadas intensas
O que muitos motoristas fazem para chamar a atenção no trânsito, arrancar o carro ocasiona o desperdício de combustível, desgaste dos pneus, dos freios e dos coxins.

9. Usar óleo vencido/ Não trocar óleo
Segundo Francisco Oliveira, gerente da Copagra, tal costume ocasiona a degeneração do lubrificante e o surgimento de depósitos de borra ou carvão, nocivas ao bom funcionamento do motor. “Essa borra entope os dutos de lubrificação e pode provocar o travamento do motor”, explica. O ideal é realizar a troca a cada 5 ou 10 mil quilômetros rodados, de acordo com o porte do veículo.

10. Rodar com o carro desalinhado/ Falta de geometria
Não realizar a geometria regular do jogo de rodas, não só torna a direção desconfortável, como também pode impactar no desgaste de pneus, que acabam exigindo mais esforço do veículo do que o normal, e, consequentemente, o maior gasto de combustível.

11. Não substituir o liquido de arrefecimento
Esse hábito pode afetar diretamente o motor. “A perda das propriedades do aditivo que evita o congelamento ou fervura da água, desequilíbrio no controle da temperatura de funcionamento do motor com consequentes danos”, afirma Francisco Oliveira, da Copagra.

12. Não ativar vidros elétricos regularmente
Pode não ser óbvio, mas a movimentação frequente de todos os vidros do carro – em especial dos vidros elétricos – evita possíveis travamentos e até mesmo a quebra de peças como a máquina de vidro, uma das principais ligadas à sustentação do vidro.
Segundo Robson Moreira, proprietário da Agora Baterias e Acessórios, a falta de ativação e de outros cuidados, pode ocasionar problemas já nos primeiro meses de vida de alguns modelos do mercado. “Para garantir o bom funcionamento recomenda-se realizar a subida e descida dos vidros frontais e traseiros diariamente. Se possível o ideal é também fazer a lubrificação das canaletas, pelo menos uma vez por semana”, recomenda.
A ativação dos vidros também auxilia na remoção de detritos alojados nas pestanas e canaletas das janelas.

13. Esquecer de trocar os filtros
Deixar para substituir os filtros do carro – de ar, de combustível, de óleo e de ar-condicionado – apenas quando estão entupidos, também pode trazer danos aos sistemas.

Entenda:
- Filtro de ar: filtram impurezas para o sistema de admissão do motor;
- Filtro de combustível: impede que partículasdo combustível sejam enviadas aos bicos e a câmara de combustão;
- Filtro de óleo: retém impurezas do óleo oriundo do motor;
- Filtro do ar-condicionado: impede que as impurezas do ar sejam lançadas ao habitáculo do veículo.

14. Não fazer o reparo imediato de possíveis amassados
Rodar com o veículo que sofreu algum tipo de amassado por muito tempo, sem fazer os reparos necessários, pode sair ainda mais caro do que seria. “Ocorre que com o tempo a peça danificada sofre corrosão, prejudicando o processo de reparação da peça e,fazendo com que a mesma tenha que ser trocada por uma nova”, explica José Luis Anapolski, engenheiro mecânico e proprietário da loja especializada em pintura automotiva Clinicar de Porto Alegre.

15. Deixar de lavar o carro por longos períodos
Para manter a pintura do carro impecável, existem diversos recursos disponíveis como polimento, espelhamento e envelopamento do automóvel. Porém, de nada adianta investir nas técnicas sem realizar a manutenção básica de limpeza.
Uma série de fatores como sementes e resíduos de árvores e dejetos de pássaros, se não retirados rapidamente e de forma correta, podem danificar a pintura com manchas.
Antes de tentar retirar os resíduos já fixados na pintura o ideal é umedecê-los até que amoleçam e saiam com facilidade, sem riscar a lataria”, explica Andre Martini, gerente da unidade Azenha da empresa especializada em pintura automotiva Make-Up.
Outra dica é carregar sempre no carro itens para fazer a retirada imediata das sujeiras: “tenha sempre no veículo um borrifador de água e um detergente neutro para remover as resinas”, indica José Luis Anapolski, da Clinicar.

Fonte: http://goo.gl/B31EOE

terça-feira, 16 de junho de 2015

Cheiro ruim no carro? Veja dicas

A coluna tira-dúvidas sobre manchas no carro rendeu perguntas dos internautas sobre como eliminar as manchas de vômito, mofo, cigarro, creme hidratante, sangue e até de sêmen. O cheiro também merece dicas especiais. Você sabia que a maçã pode ser usada para deixar seu veículo mais 'cheiroso'- Confira abaixo:

Como é que se faz para tirar o cheiro horroroso de cigarro de dentro do carro?
- Márcio Nascimento Pinto

Se você é fumante, o recomendado é utilizar um neutralizador de odores dentro do automóvel constantemente. Mas, como não deve ser o seu caso, a solução é caseira: corte duas maçãs ao meio e coloque duas metades nos assentos dianteiros e duas no banco traseiro. Deixe por uma noite inteira dentro do carro. Com os vidros fechados por certo tempo as maças irão absorver o odor e ainda vão deixar um cheiro agradável.

Derramei um frasco de perfume no meu carro. Já tentei de tudo, lavagem, exposição do banco no sol mas o cheiro do perfume continua firme. Como faço para eliminar o cheiro que ficou impregnado?
- Ricardo

Como o cheiro já impregnou pelo interior do carro, o melhor é utilizar um neutralizador de odores ou mesmo aqueles "cheirinhos" para colocar dentro do automóvel. Outra solução caseira é utilizar duas maçãs cortadas ao meio. Coloque duas metades nos assentos dianteiros e duas no banco traseiro. O melhor seria fazer isso de noite. Com o carro fechado por certo tempo as maças irão absorver o odor. Também pode ser feito com um pedaço de abacaxi, mas tome cuidado para deixá-lo em cima de um plástico.

Socorri uma pessoa em meu carro e ficaram manchas de sangue. Como faço para tirá-las?
- Wagner

O sangue é uma das substâncias mais difíceis de remover, principalmente quando impregnando por certo tempo. Manchas de sangue seco podem ser muito difíceis de remover, mas uma solução possível é utilizar a seguinte receita: faça uma mistura com água morna, um pouco de detergente líquido e uma colher de amônia. Remova a mancha esfregando a área afetada levemente com uma escova. Se não estiver resolvendo, utilize uma espátula e raspe com cuidado. Evite deixar muito molhado, se ocorrer isso, seque com um pano absorvente. Continue esse processo até que toda a mancha seja removida. Depois, com um pano umedecido apenas com água, remova os resíduos de amônia e deixe secar bem.

O forro do teto do meu veículo também é carpete, como poderia limpar sa marcas de mãos sujas e cigarro?
- Dawidson

O forro de carpete geralmente é uma peça única que pode ser removida. Se estiver muito sujo, o recomendado é retirar e lavar com água e sabão, mas isso é melhor deixar para o tapeceiro fazer. Ele não vai estragar as borrachas de vedação das portas e vidros e também utiliza os produtos adequados. Se for pequenas sujeiras, você pode passar um limpador multi uso umedecido em um pano.

Como retiro mancha de creme hidratante do banco do carro?
- Nazareno

Esse tipo de mancha é a mesma que gordura, que pode ser de um lanche ou mesmo de um protetor solar. Para se livrar dessas manchas, aplique talco sobre a área afetada, deixe agir por alguns minutos e logo depois limpe com água quente e sabão neutro.

Minha sobrinha há mais ou menos um mês vomitou no banco do carro. Na época, retirei o excesso, mas a mancha ficou. Tem algum jeito de retirar essa mancha ou o jeito é mesmo lavar o banco inteiro?
- Lilia

Qualquer coisa que caia no banco do carro é preciso ser limpo o mais rápido possível. Neste caso, por já ter certo tempo, a melhor solução é a limpeza pesada mesmo. Se você for fazer isso em casa, lembre-se de não encharcar os bancos para não deformar a espuma e evitar que surjam bolor e fungos. O recomendado é levar em uma empresa especializada, que, em alguns casos, pode até lhe emprestar um banco enquanto o seu fica lavando.

Meu amigo sujou o banco do carro com graxa. Como faça pra removê-la?
- Janilson

É o caso da gordura, porém a graxa deve ter deixado algum excesso. Se for recente é possível retirar com aplicação de talco sobre a área afetada. Depois é só lavar com água quente e sabão neutro utilizando um pano. Se essa mancha for mais antiga, o certo é a lavagem, mesmo assim não deve sair tudo, principalmente se o banco manchado continuou sendo utilizado.

Eu e minha namorada sujamos o banco do Fusca do avô dela. Nossos fluidos estão por toda a parte como prova do amor (e do crime). Como remover as manchas?
- Nelson

Você pode indicar para o avô da moça que uma solução de vinagre branco com álcool resolve. Porém, vai depender do tempo que a sujeira ficou impregnada. Se fizer muito tempo, a única tentativa para resolver mesmo, é a lavagem, sendo que o ideal é levá-lo até uma empresa especializada.

Como faço para retirar manchas de mofo do banco?
- Anderson

Primeiro você deve lavar o banco que está com mofo. Lembre-se de não encharcá-lo para não deformar a espuma. Depois de limpo, deixe secar completamente antes de recolocá-lo no lugar. Talvez, por morar no litoral, você possa ter usado o carro com o corpo molhado do mar. Se isso ocorrer, o melhor é deixar o carro no sol e com os vidros e portas abertas. Se não for possível, seque o máximo que puder com secador de cabelos, sempre a certa distância, sem tocar no tecido.

Qual é a dica para cuidar de bancos de couro?
- Cleber de Jesus Lisboa

Além da limpeza freqüente, feita com pano úmido e sabão neutro, é recomendável aplicar um hidratante para evitar o ressecamento causado pelo calor e pelo sol. Pode ser hidratante para o corpo mesmo e o período ideal desse procedimento pode ser a cada seis meses. Não abuse do hidratante, pois pode deixar o banco engordurado e desse modo, escorregadio.

Fonte: http://goo.gl/GRybJh