quinta-feira, 11 de agosto de 2016

Veja dicas de cuidados básicos com o carro

Vai pegar a estrada? Então fique atento para alguns cuidados básicos com o carro antes de viajar e evite perder tempo e dinheiro com contratempos no meio do caminho.

Veja lista com os principais itens a serem verificados para deixar tudo em ordem. Confira a seguir dicas que podem salvar sua viagem e torná-la bem mais agradável e segura.
























Água - Verificar o nível de água no reservatório do radiador (sistema de arrefecimento do motor) e completar se estiver abaixo do recomendado. O reservatório tem uma marcação do nível ideal, basta completar com água e/ou fluido.

Bagagens
- Evite levar muitas malas, pois o peso extra significa maiores consumo de combustível e distância necessária para frenagem. Coloque tudo no porta-malas, deixando os volumes mais pesados embaixo. Não deixe objetos soltos no carro, pois eles podem "voar" em manobras bruscas e, consequentemente, ferir os ocupantes.

Bateria
- A carga deve ser verificada antes de seguir viagem. Em caso de perda de capacidade, troque por uma nova.

Chuva - Com a pista molhada, a atenção deve ser redobrada. Evite pisadas bruscas no freio e procure dirigir a uma velocidade menor e com o motor mais cheio (giros mais altos). Cuidado com as poças na estrada e, em casos de chuvas torrenciais, o ideal é encostar no primeiro posto de gasolina e esperar diminuir.

Combustível
- No caso dos motores flex, o ideal é abastecer com gasolina. Isso porque, apesar de ser mais cara, a gasolina rende mais e o carro fica com maior autonomia (necessita de menos abastecimentos). Com menos paradas, você chega ao seu destino mais rápido e corre menos risco de ficar sem combustível em estradas com poucos postos de gasolina

Horário
- Sempre que possível é aconselhável evitar os horários de pico — final da tarde, começo da noite e primeiras horas da manhã. Em feriados prolongados, sair nesses períodos é certeza de enfrentar congestionamentos

Crianças - É obrigatório o uso de cadeirinhas ou assentos infantis para crianças menores de sete anos e meio. Use o equipamento ideal para cada faixa etária. E menores de 12 anos somente no banco traseiro.

Documentação - Confira se você está com toda documentação em dia e se não se esqueceu de pegar o RG, a carteira de motorista e o documento do veículo. Qualquer problema no trajeto pode requerê-los.

Entretenimento
- Quando há mais de um adulto no carro, procure brincar com as crianças para que a viagem se torne menos cansativa para elas. Cantar músicas e contar histórias são ótimas opções, assim como jogos eletrônicos e DVDs.

Extintor de incêndio - O equipamento vencido rende multa e pode não funcionar corretamente em uma emergência. Leia as instruções de uso para saber como proceder e verifique a data de validade do produto.

Freios - Verifique o nível do fluido de freio no compartimento do motor e, em caso de falta, complete com produto que siga as especificações do manual do proprietário. O baixo nível do fluído faz o pedal do freio afundar mais, ao mesmo tempo em que o veículo perde poder de frenagem, oferecendo grande risco em velocidades mais altas.

Limpadores dos vidros - Jogue água no vidro e ligue o limpador. Se a limpeza não for uniforme, é sinal que as palhetas estão ressecadas ou desgastadas e podem comprometer a visibilidade. A troca é necessária.

Luzes - Cheque as lâmpadas dos faróis alto, baixo e de neblina, além das luzes dos freios e das setas de direção (pisca). Se possível, faça a regulagem do facho dos faróis, que iluminam menos e ofuscam a visão dos motoristas contrários quando estão mal regulados.

Neblina
- Em caso de cerração, diminua a velocidade e acenda os faróis baixos e os de neblina (nunca utilize o farol alto, que diminui ainda mais a visibilidade). Procure uma referência no asfalto, como as faixas pintadas no chão, para se manter na trajetória ideal. Só pare no acostamento em casos de extrema emergência.

Óleo do motor
- Verifique o nível do óleo e complete com o um produto de mesma especificação se necessário. Nunca utilize o carro com o óleo vencido, o que causa sérios danos aos componentes do motor.

Pneus - Verifique o estado de todos os pneus, inclusive o reserva. Faça a calibragem de acordo com a pressão recomendada no manual do proprietário. É recomendável também fazer o alinhamento e balanceamento, e checar o triângulo, o macaco e as chaves de roda — você pode precisar deles no trajeto.

Refeições - Procure fazer refeições leves antes de pegar a estrada. Comer demais ou ingerir comidas pesadas pode causar sonolência ou mal-estar durante a viagem. E, claro, nunca ingira bebidas alcoólicas.

Sono - Nunca pegue a estrada com sono. Caso a sonolência chegue durante a viagem, pare em um posto de combustível e tire uma soneca — não é o ideal, mas ajuda. Uma "piscada" mais demorada ao volante pode causar um acidente terrível.

Seguro - Tenha sempre à mão o número do telefone de emergência da sua seguradora e confirme se o prazo de validade do seguro não venceu. A maioria dos planos oferece assistência e reboque 24 horas em todo território nacional.

Prudência
- A maioria dos acidentes é causada pela imprudência dos motoristas. Respeite a sinalização e as leis de trânsito, respeitando os limites de velocidade da via e mantendo distância segura em relação ao veículo da frente.

Fonte: noticias.r7.com

quinta-feira, 21 de julho de 2016

O que fazer quando a bateria do carro arriar?


O carro foi uma das invenções que mais trouxe comodidade ao ser humano. Útil para transporte de pessoas e cargas, os proprietários desse veículo precisam estar atentos ao funcionamento do motor. Já imaginou sair de casa atrasado para um compromisso e a bateria do carro, arriar?
É um problema comum e acontece diariamente com muitos brasileiros. Mas não se estresse. Existe salvação para ressuscitar a bateria do carro. Siga nosso passo a passo e evite dores de cabeça.

Como recarregar a bateria do carro

Peça ajuda de outro veículo: Uma saída para recarregar a bateria arriada é fazer conexão com outro carro. Você fará a ligação da sua bateria (negativo/positivo) com a bateria de veículo auxiliar.

Encaixe os fios: Para recarregar a bateria do seu carro será preciso conectar os cabos positivo e negativo na bateria de outro veículo. Este precisa estar em funcionamento. Por isso tenha cuidado no manuseio dos fios.

Retire os cabos: Depois de recarregada a bateria, desconecte os cabos no outro veículo. É importante deixar o carro com bateria arriada ligado por cerca de 15 minutos até ele voltar a funcionar normalmente.

Dirija com marcha baixa: Depois de recarregar a bateria do seu carro está na hora de pegar a estrada. Porém, faça isso com marcha baixa. Não force seu veículo e procure auxílio numa oficina. Lá você poderá verificar se está tudo ok com a bateria e evitará futuros problemas.

Quais instrumentos são necessários na hora da recarga?

Para recarregar a bateria arriada você precisará de alguns itens como:
  • Cabos adequados;
  • Bateria auxiliar (com amperagem maior);
  • Equipamentos para sinalizar e evitar acidentes de trânsito;
  • Cuidados na hora de recarregar a bateria;
  • Luvas de borracha.
Além de utilizar os equipamentos corretos – nunca tente recarregar a bateria com fios domésticos – é necessário ainda evitar que os fios negativo e positivo da bateria se toquem. Caso isso ocorro a bateria pode ser danificada e, em casos mais graves, haverá princípio de incêndio.
Isso acontece porque a recarga da bateria libera hidrogênio. Em contato com a fagulha de uma chama o gás, que é explosivo, pode causar danos maiores do que perder compromissos. Se não souber manipular, procure ajuda de profissionais ou amigos.

Dicas para evitar ser surpreendido por problemas na bateria

O check-up do veículo é imprescindível para prolongar a vida útil do carro. E também é exigido pelo Código de Trânsito Brasileiro. Carros ou motos que, por algum motivo, apresentem perigo a vida de terceiros, podem ser multados e apreendidos.
Por isso antes de ir à rua com seu carro verifique as condições de funcionamento. No que diz respeito à bateria, esteja atento a:
  • Vida útil;
  • Temperatura do motor;
  • Nível de água.
A manutenção do veículo é necessária para evitar surpresas no trânsito. São tarefas simples e que você mesmo pode fazer em casa. Se não tiver conhecimento do assunto, não hesite e leve o carro até uma oficina. 
Fonte: https://goo.gl/QpRGk2

terça-feira, 19 de julho de 2016

7 cuidados diários com o seu carro que você precisa ter!




Ter um carro exige cuidado. O veículo é um bem que muitos trabalham duro para conquistar e por isso é preciso ficar de olho na manutenção para não transformar o carro dos seus sonhos em uma dor de cabeça constante.

Fazer as revisões periódicas e trocar peças desgastadas faz parte das manutenções preventivas que ocorrem uma ou duas vezes por ano, mas existem alguns cuidados que podem ser tomados diariamente para deixar seu carro sempre em ordem. Confira agora 7 cuidados diários que todo motorista deve ter com seu automóvel!

Pintura

A pintura é o cartão de visitas de qualquer carro. Um carro brilhante e sem riscos chama a atenção por onde passa, e não é preciso gastar milhares de litros de água para manter o carro sempre limpo.

A manutenção diária da pintura consiste em ficar de olho ― e remover ― as sujeiras acumuladas durante o dia, tais como aquelas manchinhas de piche que se acumulam perto das rodas ou a famosa sujeira de passarinho. Esta última é inimiga mortal da conservação da pintura. Os dejetos desses animais são ricos em amônia, substância que corrói a pintura aos poucos e pode deixar diferença de cor, caso fique muito tempo em contato com a pintura.

Remova a sujeira com um pano molhado com água e nunca esfregue a pintura com nada áspero, isso tira o brilho e pode inclusive danificar as camadas superiores da tinta.

Chassi e suspensão

A parte de baixo do seu carro também merece atenção. Ela acumula muita sujeira, o que pode gerar desgaste excessivo de peças. Limpe sempre, principalmente se seu carro enfrenta estradas de terra com frequência. Lembre-se que óleos e querosene dão brilho às peças, mas desgastam as borrachas, o que pode culminar em acidentes.

Secagem do veículo

Não adianta só lavar. Deixar o carro molhado e cheio de gotas só irá resultar em manchas, ainda mais se o carro secar ao sol. Use sempre panos secos, limpos e macios para secar o carro e de preferência lave-o longe dos raios solares.

Vidros

Os vidros são sensíveis e podem riscar com muita facilidade. O primeiro passo para evitar os riscos é acompanhar diariamente a situação dos limpadores de para-brisas. Limpadores velhos podem apresentar borracha ressecada, que vai riscar o vidro após algumas passadas. Use produtos específicos para tirar manchas e limpe por dentro e por fora, só não se esqueça que a parte interna dos vidros requer cuidados e produtos diferentes daqueles usados externamente.

Bancos e tapetes

Para manter seu carro sempre bonito, não basta apenas lavá-lo com frequência. Apesar de não parecer, a parte interna do veículo pode ficar tão suja quanto a externa, por isso é importante cuidar bem do interior.

Os bancos precisam ser hidratados periodicamente. Se forem de couro sintético, o ideal é que a hidratação ocorra a cada 3 meses. Já para os bancos de couro animal, o procedimento deve ser feito anualmente.

Além disso, evite o consumo de alimentos (ainda mais os gordurosos, de cheiro forte e com capacidade de criar manchas no estofado) e não fume dentro do interior do veículo.

Os tapetes também precisam ser limpos com frequência. Água e sabão são suficientes para limpar os de borracha. No caso do carpete, utilize uma escova úmida.

Painel

Alguns procedimentos podem ser realizados todos os dias para deixar seu carro sempre com aspecto de novo, uma delas é cuidar do interior do carro, removendo lixos e utilizando alguns produtos que removam odores indesejados e manchas no painel.

Para limpar as partes plásticas do painel, o indicado é usar silicone e um pano úmido. Quem prefere cuidar do carro todos os dias deve optar por uma flanela úmida para tirar a sujeira (o excesso de produtos pode ser desgastante para os materiais que compõem o painel, como plásticos e madeiras).

Sistemas Internos

Além dos hábitos citados, que deixam o carro mais bonito, existem algumas medidas que ajudam na conservação do veículo e deixam ele mais seguro, como verificar os níveis de água e óleo, além do sistema de arrefecimento, mais conhecido como radiador.

Esses são apenas alguns cuidados com o carro, mas que fazem toda diferença na conservação veicular.

Fonte: http://goo.gl/9Ofcph

sexta-feira, 15 de julho de 2016

Tanque sempre vazio pode estragar bomba de combustível


O primeiro risco de rodar sempre com pouca gasolina do tanque é óbvio: ficar no meio da rua com pane seca, que aliás é infração de trânsito e resulta em multa de R$ 85,13 mais quatro pontos na carteira. O segundo, e mais grave, é estragar a bomba de combustível. Nesse caso, o carro também vai parar, já que a bomba é a peça que manda a gasolina do tanque para o motor.
As bombas de combustível dos carros antigos (antes dos anos 2000) ficavam junto ao motor. As dos veículos mais novos ficam dentro tanque. Elas são elétricas e são lubrificadas pelo próprio combustível do reservatório. Ou seja, a gasolina ou etanol também cumprem o papel de ajudar no funcionamento da bomba.
Se o motorista anda sempre com poucos litros no tanque, essa bomba trabalha sem a lubrificação correta e pode superaquecer. Isso não quer dizer que a bomba vai sofrer uma pane na primeira vez que o automóvel entrar na reserva. Elas são preparadas para funcionar algumas vezes sem a quantidade ideal de combustível. Mas a prática constante de rodar com poucas gotas pode provocar uma pane no médio prazo. Se isso acontecer, não tem jeito. Resta chamar o guincho e levar o carro até uma oficina e trocar a peça.
“É bastante comum carros terem pane por bomba de combustível queimada. A falta de lubrificação correta provoca o superaquecimento”, diz o Engenheiro Gilberto Pose, Coordenador de Combustíveis na Raízen, licenciada da marca Shell no Brasil.
Sujeira do combustível
Outra consequência direta de rodar sempre com o ponteiro na reserva é o risco de mandar sujeira para o sistema de injeção. Isso porque com menos gasolina no tanque a bomba puxa o líquido do fundo, onde pode ter acúmulo de resíduos. O combustível sujo pode entupir o filtro ou até chegar ao sistema de injeção eletrônica, aos bicos injetores. Neste caso, o veículo possivelmente irá ter falhas ou até parar de funcionar.
Por isso, evite sempre ficar no liga e desliga da luz da reserva. O ideal é rodar com pelo menos ¼ da capacidade do tanque, o que significa entre 12  e 15 litros levando em conta os carros de pequeno e médio porte no Brasil.
Fonte: http://goo.gl/1QCWkW

quarta-feira, 13 de julho de 2016

10 cuidados para manter seu carro impecável


Todo mundo sabe que o valor de um carro cai anualmente, mas muita gente se esquece de que a falta de cuidados básicos pode desvalorizá-lo ainda mais e, em alguns casos, dificultar muito o momento da troca. Veja abaixo 10 dicas para pôr em prática o quanto antes e assim garantir o melhor preço para o veículo:

1. Lavar o carro na volta da praia: Pouca gente faz isso, até porque não é fácil achar um posto que levante o carro para lavá-lo por baixo. Mas este é um cuidado importante. O sal acelera a oxidação (ferrugem) nas peças que não possuem tratamento anticorrosão. As mais atingidas são peças fundidas com alto teor de carbono, como discos de freio, cilindros de roda, bloco do motor, pinças de freio, entre outras.
2. Nada de querosene: Não se deve aplicar querosene ao lavar o carro. Este produto danifica a pintura e a maioria das borrachas da suspensão. Água e sabão neutro são suficientes para uma boa limpeza, inclusive da lataria. Se você deixa seu carro exposto ao sol e à chuva diariamente, é bom fazer um enceramento a cada três meses.
3. Conserte os amassadinhos: Pequenos amassados devem ser reparados o mais breve possível. É comum as pessoas acumularem os serviços de funilaria e pintura e, por conta disso, deixarem de lavar seus carros. De repente, elas percebem que terão que pintar todo o carro: isso porque muitas vezes a ferrugem toma conta do local amassado, deixando uma impressão pior ainda.
4. Evite manchas: Deixe seu carro longe de: goteira de cimento, óleo de freio, fezes de pássaros, gasolina, tíner, e tome cuidado ao estacionar embaixo de árvores. Se seu carro possui manchas provocadas por alguns destes produtos é melhor levá-lo a uma oficina especializada para tentar removê-las. Cuidado: soluções caseiras utilizando materiais inadequados podem causar ferimentos e piorar o problema.
5. Cuidado com máquinas de asfalto e demarcação: Entre os poucos que podem ser resolvidos em casa, respingos de asfalto podem ser removidos da pintura com óleo para bebês. Já respingos de tinta demarcatória de asfalto (como faixas de pedestres) devem ser tirados em oficina especializada. Portanto, passe longe de máquinas de demarcação.
6. Carro repintado requer mais cuidado: Um leitor perguntou se pintura metálica requer mais cuidados do que a sólida. Depende. Carros com pintura sólida que já foram repintados necessitam de mais cuidado, pois a maioria das oficinas de funilaria e pintura utiliza o PU (poliuretano) no lugar do Poliéster (utilizado pelas montadoras). Como o PU não exige a aplicação da camada de verniz, a pintura fica mais vulnerável a manchas. Se a pintura do seu carro é original, não existem cuidados diferentes entre a sólida e a metálica.
7. Atenção no lava-rápido: Não se pode generalizar, mas, infelizmente, alguns funcionários destes estabelecimentos não recebem treinamento adequado. Todo carro deve ser lavado na sombra, começando pelo teto. No entanto, é comum encontrarmos lavadores que começam por baixo - a parte que geralmente possui terra respingada das rodas. Se o lavador encher a bucha de terra, provavelmente vai riscar toda lataria. Este fato é muito observado em carros pretos: as marcas de movimentos circulares ficam bem evidenciadas.
8. Capas nem sempre protegem: Capas plásticas não combinam com umidade nem poeira. Para cobrir um carro é necessário que o material esteja totalmente limpo e seco. Dê preferência para capas forradas por dentro e com grande ventilação.
9. Marquinha da porta do carro vizinho: Seu vizinho de garagem não toma cuidado ao abrir a porta? Já existem no mercado alguns protetores de espuma magnetizados que se coloca na lateral cada vez que estaciona o carro. Uma opção mais barata que alguns internautas citaram é a utilizar os "espaguetes" de piscina: você pendura um de cada lado do carro, amarrados com um barbante. Visualmente não é a melhor solução, mas seu vizinho de garagem vai entender o recado.
10. Polimento sem exagero: Polimentos, cristalizações, espelhamento e revitalizações são bem-vindos, porém com moderação. A cada polimento, uma parte da camada de verniz é removida através da utilização de politrizes de alta rotação associadas a massas abrasivas. Geralmente esse serviço é indicado para pinturas manchadas, queimadas de sol. Para veículos novos e seminovos, sem manchas, a melhor opção é o enceramento.
Fonte: http://goo.gl/SmPVmR

quinta-feira, 7 de julho de 2016

5 dicas para cuidar do motor do seu carro


Com alguns cuidados básicos, o motor do carro pode ter uma vida útil muito maior e manter sempre o bom desempenho.

Muitas pessoas se preocupam apenas com a aparência do carro, mas se esquecem de que assim como qualquer outro equipamento, o automóvel também precisa de manutenção, especialmente no motor, que é o responsável por fazê-lo se movimentar.

Considerado o coração do carro, o propulsor precisa de alguns cuidados simples (no mínimo) para funcionar corretamente e oferecer o melhor desempenho. Além disso, uma boa manutenção pode evitar o aparecimento de problemas, principalmente nas horas em que o motorista mais precisa do veículo.

A presença de fumaça expelida através do escapamento, baixa potência, ruídos estranhos e vazamento ou alto consumo de óleo lubrificante podem ser indicativos de que há algum problema no motor do carro.

Se você quer aumentar a vida útil do motor e evitar aborrecimentos e gastos com a oficina, confira algumas dicas para cuidar do motor do seu carro.


1. Fique atento à troca do óleo: Verificar o nível do óleo com frequência é importante. Responsável por refrigerar, lubrificar e limpar o coração do carro, o óleo é fundamental para o funcionamento do motor. Geralmente, a troca do óleo deve ser feita a cada 10.000 ou 15.000 quilômetros rodados, mas como cada veículo possui especificações diferentes, basta checar o manual do automóvel e seguir as recomendações. Além disso, verifique o nível de óleo com frequência, fazendo isso com o motor frio. Não se esqueça de também verificar a condição do filtro de óleo.

2. Faça a manutenção dos componentes do motor: O proprietário também precisa ficar atento aos componentes do motor, como verificar o estado de conservação das velas. Trocar as velas, filtros de ar e de combustível, além do carburador, dentro do período recomendado pelo fabricante, é outra maneira de manter o motor em bom estado de conservação e de evitar altos consumos de combustível. Fique atento ainda a outros componentes do motor e lembre-se que ele também precisa de água no sistema de arrefecimento, além de um aditivo para conservar as peças.

3. Use combustível de qualidade: Um bom combustível também auxilia no aumento da vida útil do propulsor. Na hora de abastecer o carro, utilize sempre combustível de qualidade, comercializado em postos de confiança. A gasolina aditivada traz detergentes especiais que ajudam na limpeza do sistema de injeção, enquanto a Premium é recomendada para motores mais potentes. Já a comum dispensa apresentações.

4. Não dirija com o motor superaquecido: Dirigir com o motor superaquecido pode causar sérios danos ao veículo. Caso o motor superaqueça, pare o carro imediatamente, em um local seguro, abra o capô e espere o propulsor esfriar para conferir o nível de água no reservatório (tome cuidado para não se queimar). Se a água estiver pouca, complete-a, mas nunca rode com o motor superaquecido, pois isso pode trazer sérios danos para o carro.

5. Não deixe de fazer as revisões periódicas: Para que o motor mantenha o seu bom desempenho sempre, manutenções periódicas também são necessárias. De tempos em tempos, leve o veículo ao seu mecânico de confiança, especialmente quando estiver para fazer uma viagem mais longa com o carro.

Fonte: http://goo.gl/8xN0RC

terça-feira, 5 de julho de 2016

10 erros comuns na manutenção e direção de carros


O desenvolvimento da indústria automobilística tem permitido que sejam lançados carros cada vez mais confiáveis e menos sujeitos a defeitos. Por exemplo, enquanto antigamente bastava à pessoa ficar parada por algum tempo em um engarrafamento para o motor ferver, hoje os sistemas de arrefecimento garantem que os motores sejam usados nas condições mais adversas, sem nenhum problema. Isso, é claro, se o sistema estiver devidamente abastecido de água ou de fluido refrigerante e em perfeitas condições de funcionamento. Para ajudar você a se prevenir, nesse artigo vamos falar dos erros comuns na manutenção e direção de carros.
De fato, a maior parte dos defeitos que ocorrem atualmente poderia ser evitado, uma vez que é decorrente de falhas na conservação e condução do veículo.

1. Deixar o combustível chegar na reserva

Essa é uma prática bastante comum, que pode provocar a queima da bomba de combustível por superaquecimento. Isso ocorre porque a bomba fica instalada no interior do tanque, o que permite que o combustível atue como um refrigerante do equipamento. Com pouca gasolina ou álcool no tanque a capacidade de refrigeração também é pequena, o que pode levar à queima.
tanque combustivel reserva
Cabe considerar que, além do prejuízo provocado pela necessidade de trocar a bomba e do inconveniente que uma parada não programada pode acarretar, há também o risco de ela acontecer em local perigoso, o que precisa ser evitado a todo custo.
Portanto, rode sempre com o marcador acima da reserva!

2. Atravessar lombadas, valetas e buracos na diagonal

Muitos motoristas acreditam que essa prática alivia a suspensão, o que é inteiramente falso. A única coisa que ela provoca é a torção da carroceria do veículo, o que pode provocar danos em pontos de solda e em peças de acabamento interno. Isso acabará acarretando naqueles barulhos inconvenientes.
O correto é passar com cuidado pelas irregularidades da pista com as 2 rodas ao mesmo tempo.

3. Atravessar lombadas em alta velocidade

As suspensões modernas suportam bastante as irregularidades da pista e muitos veículos não trazem desconforto quando elas são enfrentadas. Por isso, alguns motoristas não fazem grande caso das lombadas que, não por acaso, também são conhecidas como “quebra-molas”, o que pode danificar seriamente a suspensão.
O correto é atravessar as lombadas em baixa velocidade. Afinal, também é preciso considerar que elas estão ali por algum motivo de risco, servindo justamente para obrigar o condutor a reduzir a velocidade.

4. Ficar de olho só na quilometragem para fazer a troca de óleo

Muitas pessoas não sabem que o óleo lubrificante tem prazo de validade e consideram apenas a quilometragem para fazer a troca. Assim, se adquirem um óleo com vencimento próximo e se o carro anda pouco, há o risco de rodar com um produto ruim durante um longo período, mesmo que a quilometragem para a próxima troca não tenha sido atingida, o que é péssimo para o motor.
Portanto, na hora da troca, pergunte qual é a validade do óleo que está sendo adquirido. O prazo varia de fabricante para fabricante e deve vir indicado na embalagem.

5. Descansar o pé na embreagem

A esquerda da embreagem os carros têm uma área apropriada para o descanso do pé. Definitivamente, esse local não é o pedal da embreagem. Por menor que seja a pressão sobre ele, ela será suficiente para provocar um leve acionamento do sistema e, por consequência, o desgaste precoce das peças que o compõem.

6. Segurar o carro na embreagem nas subidas

Essa também é outra prática inimiga das embreagens, com capacidade para reduzir a vida útil do disco e de outras peças em até 50%, dependendo do tanto que o recurso é utilizado.

7. Encostar a roda na guia

Deixar o veículo com a roda encostada na guia pode provocar danos no rolamento, o que acarretará ruídos ou, na pior das hipóteses, contribuirá para que o rolamento quebre, chegando ao perigoso travamento da roda.
roda meio fio

8. Forçar a direção hidráulica

Girar o volante de direção hidráulica com o veículo parado ou com a roda colada na guia sobrecarrega o sistema, podendo danificar os retentores, permitindo assim que o óleo de direção vaze. Da mesma forma, forçar a direção no final do curso enquanto uma manobra está sendo feita desgasta a bomba da direção. Repetir esse erro com frequência logo levará a chiados e, finalmente, à quebra da bomba.
Portanto, só gire o volante com as rodas livres e, quando perceber que chegou o final do curso, alivie a pressão, uma vez que as rodas não conseguirão virar mais.

9. Descer uma ladeira desengrenado

A antiga prática é conhecida como “banguela”. Nos tempos em que a injeção de combustível era feita pelos extintos carburadores ela era justificável, uma vez que, com o carro desengrenado, o motor parava de receber combustível e permitia alguma economia.
Atualmente essa justificativa já não existe, pois a injeção eletrônica de combustível é feita por um computador que avalia a necessidade de alimentação do motor, de acordo com o regime em que ele está trabalhando. Se o motor está desengrenado, o computador continua injetando combustível para mantê-lo em funcionamento. Por outro lado, se ele está engrenado, mas sem o acionamento do acelerador, a quantidade de combustível injetado é diminuída e até cortada, em determinados momentos.
Portanto, o correto é descer as ladeiras com o motor engrenado. Essa técnica pode parecer estranha, mas é a mais segura para a sua viagem e ajuda a economizar. Afinal, além de fazer com que consuma menos combustível, ela exige menos do freio e torna a direção mais confiável.

10. Não fazer o alinhamento periódico

O alinhamento, como o nome do procedimento indica, serve para alinhar as rodas, permitindo que elas girem todas na direção correta, conforme o projeto do fabricante. Abrir mão desse cuidado e dirigir com as rodas desalinhadas, além de provocar um desgaste excessivo dos pneus, força as peças da suspensão dianteira.
Nos carros que não têm direção hidráulica, o desalinhamento é percebido com maior facilidade. Nos que têm direção hidráulica é possível que ela seja notada somente quando os 2 pneus dianteiros estiverem perdidos.
O ideal é que se faça o alinhamento a cada 10 mil quilômetros. Além de garantir a economia, essa prática torna a direção mais segura.

Fonte: https://goo.gl/21Sytm